Alceu Valença desabafa:"A fuleiragem music vai destruir o Brasil lá fora"

março 2, 2009 at 4:55 pm 4 comentários

Eis algumas das opiniões de Alceu Valença sobre a indústria da música e seus meios: FORA DAS FMs

“É um negócio complexo para a minha pessoa, porque faz muito tempo que aconteceu isso. Fiz parte da destruição da MPB. Ela foi destruída por gravadoras. Eles quiseram, além de ganhar o dinheiro do que eles vendiam, o direito autoral do artista. Ofereciam música aos artistas para o direito autoral ir para a gravadora. Na RCA, eles tinham várias pessoas que compunham para os artistas. Depois que fiz Estação da luz, eles me ofereceram uma música para eu gravar e não aceitei. Deixaram de botar minha música para tocar. Um clipe que fiz pra Globo, eles tiraram. Então resolvi mandar as gravadoras para a puta que pariu”.

PORTUGAL

“Nós do Brasil somos escrotos com Portugal. A gente fala da nossa africanidade, com toda razão, porque ela está presente. Fala-se da nossa coisa indígena. Ninguém fala em Portugal, incrível.
Portugal trouxe pra cá o trovador, trouxe pastoril, o fado, músicas juninas, e ninguém fala nisso?”

GIL, O MINISTRO

“Gil não fez absolutamente nada pela MPB. O ministério dele foi melhor do que o de Weffort, Ponto de Cultura é um negócio bacana. Mas música brasileira nada. Não vi nem uma vez ele fazer um esforço e levar todo mundo lá para fora. Houve esforço para levar ele. Eu tentei levar, fiz um projeto para levar todo mundo, o Brasil Novo Tempo, mas não deu certo. O Brasil está sendo
divulgado lá fora por um tipo de música canalha! Mas pense o Brasil divulgado pela coisa bonita brasileira, pela sua identidade. Porque os gringos são apaixonados pelo samba, pelo choro. O mundo gosta do Brasil, mas o Brasil não gosta de se mostrar pro mundo”.

COMPLÔ

“Tenho quase certeza de que a destruição da música brasileira foi um movimento que veio do Departamento de Estado e Propaganda dos Estados Unidos. Não posso entender, como é que você pode destruir uma indústria de um bilhão de dólares? A MPB dava 800 bilhões de dólares. A MPB de qualidade era detentora de 80% do mercado de música brasileira. Os caras chegaram e trocaram Chico Buarque por Ursinho blau blau. Em 1986, tudo acabou. Dentro da minha loucura eu digo
o seguinte: isto se deve à queda da ditadura. A MPB era contra a ditadura. Então ficaram com medo de uma nova Cuba, pela influência desses artistas de esquerda. Quem ouviu Bethânia, Chico, Milton tocar depois de 86? Tudo isso podia até ter acontecido, de uma maneira mais vagarosa. De repente caiu tudo, e veio outra coisa”.

FULEIRAGEM MUSIC

“Eles são absolutamente negociantes. A fuleiragem music vai destruir o Brasil lá fora, porque o axé destruiu a imagem de música de qualidade que se tinha do Brasil. Existia na Europa a boa música brasileira. Só iam para Europa os tampas de crush, Caetano, Chico, Gil, Milton. O besta aqui foi muitas vezes. Tinha um tipo de público do cacete. Aí, quando entrou o axé, a fuleiragem, sabe qual o público desta música? Quenga. A fuleiragem aconteceu, mas será que são os músicos que fazem a música? Quem faz é o cara que não gosta de música, mas sabe trabalhar a coisa, contrata uns caras, o jabaculê come por todos os lados, mas não se faz arte”.

Fonte: Entrevista publicada no Jornal do Comercio, Recife Pe, em fevereiro 2009.

Anúncios

Entry filed under: O dever de ouvir....

Pagode Jazz Sardinha's Club (2004 – Sardinhas) Dona Zefinha (2007 – Zefinha vai a feira)

4 Comentários Add your own

  • 1. SANDRO MACHADO  |  julho 15, 2010 às 2:36 pm

    Sou DJ há 21 anos. Simplesmente ME RECUSO a tocar essa bosta de funk e axé. Algumas pessoas ainda têm a coragem de me perguntar o porquê. As minhas explicações vão de encontro a exatamente o que o Mestre Alceu Valença escreveu. Parabéns, ídolo!!! Tenho mais de 10 álbuns seus (todos foram comprados). Farei a resistência até o fim. A MPB não merece esse declínio, esse desrespeito. … ainda acredito que haverá uma reviravolta. Por que?!? Porque temos QUALIDADE! Viva Alceu Valença, Lenine e Nação Zumbi!!! Viva Clube do Balanço, Blues Etílicos, e Simoninha!!! Viva Otto, Lampirônicos e Fred Jorge!!!!

    Resposta
  • 2. Ronaldo  |  novembro 17, 2011 às 11:56 pm

    Parabéns Alceu pela coragem! Faltou falar sobre uma outra praga da música brasileira. o sertanejo.

    Resposta
  • […] Fonte: Discotecanacional […]

    Resposta
  • 4. JORGE LUIZ EVANGELISTA  |  fevereiro 18, 2012 às 9:56 pm

    Quase não saio mais de casa. Meus amigos me recriminar por isso, por eu não ter “saco” para ouvir essas baboseiras.Ainda tenho que ouvir: agente tem que gostar de tudo. Uma porra, meus ouvidos não são pinicos para ouvir merda. Uns dizem: Você só gosta de músicas velhas, eu respondo: não, eu gosto de música boa não importa o quando foi criada. Viva, a boa qualidade musical…

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


DNA – DISCOTECA NACIONAL

Este blog nasceu no ano de 2008 e tem como principal existência, difundir a música brasileira de qualidade, seja através de bandas ou DJs.
A prioridade do blog é a difusão de trabalhos independentes. Sabemos que existem blogs que não agem da mesma forma, portanto, se alguém se sentir ofendido ou prejudicado com o conteúdo de alguma postagem, avise-nos por e-mail para que ela seja retirada imediatamente

============================
P.S. O site WORDPRESS não hospeda arquivos de música e os links aqui postados têm prazo de validade limitado. ============================
Administração e conteúdo por Juniani Marzani - DJ 440

Contato: discotecanacional@gmail.com

Categorias

Blog Stats

  • 650,247 hits

%d blogueiros gostam disto: