Marcelo D2 canta Bezerra da Silva

novembro 3, 2010 at 12:16 pm 4 comentários

Aprovado por bambas como Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, o disco é um tributo até na capa, em que Marcelo reproduz a foto de “Eu não sou santo”, de 1990. “É minha capa favorita, foi o primeiro disco dele que eu comprei com o meu dinheiro. E tem outro lance que eu acho incrível, que é o fato de ele ter feito a foto descalço, adoro a ideia, acho que eu nunca pensaria em fazer uma capa assim”, conta D2.

Depois da longa turnê com o álbum anterior, o rapper diz que vai fazer poucos shows com o novo disco, “uns dez, nas capitais”, e pretende passar uma temporada “no ócio” em Los Angeles em 2011.

“Quero criar algo novo, não quero fazer mais nada repetitivo – mas quero seguir com o rap, isso é fato”, conta, citando nomes como Emicida, Akira Presidente e o grupo Start, de seu filho Stephan, como grandes promessas do hip hop nacional. “Não é só porque ele é meu filho, é porque é bom mesmo”, diz o pai coruja. “Tomara que ele rale bastante. Vai abrir portas para ele o fato de ser meu filho, mas ele também vai ter que ouvir muito.”

Apesar de estar ajudando no roteiro de um filme sobre a criação do Planet Hemp ao lado do amigo Skunk (morto em 1994) em parceria com Johnny Araújo (de “O magnata”) e João Miguel (de “Estômago”), ele descarta a volta do grupo.

“Pensei várias vezes em voltar com o Planet Hemp, mas acho difícil. É velho, eu não gosto de banda velha que volta, é um bagulho meio babaca. O que a gente tinha que falar, falou naquela época”, encerra.
“Foi o disco mais fácil de fazer nos últimos anos. Em dois dias de estúdio gravamos 22 músicas”, conta D2 em entrevista por telefone ao G1. Das 22 faixas, 14 entraram no recém-lançado “Marcelo D2 canta Bezerra da Silva”, que traz clássicos como “Meu bom juiz” e “Malandragem dá um tempo”, todos com arranjos próximos dos originais.

“Eu não queria fazer um remix do Bezerra, queria cantar do jeito que ele gostava de ouvir aquelas músicas”, explica o rapper-sambista. Para isso, contou com um time de 19 músicos, incluindo o produtor Leandro Sapucahy, um dos idealizadores do projeto.

D2 conta que a ideia nasceu logo após o velório de Bezerra, morto em janeiro de 2005 aos 77 anos. “Saí de lá pensando que devia uma homenagem a ele, mas estava tudo tão corrido, turnê, gravações do meu disco ‘Acústico’”, lembra.

“Eu curto Bezerra da Silva desde a infância – meus pais ouviam ele. Quando eu comecei a escrever rap, me inspirava nele, queria fazer um rap como ele cantava – uma crítica social sem ser turrão, com bom humor”, exalta o rapper.

Em 2010, depois de dois anos de turnê com o álbum “A arte do barulho”, o rapper foi abordado pelo amigo Sapucahy durante um jantar. “‘Aí, Marcelo, o que tu vai fazer esse ano?’, ele perguntou, e eu respondi que não tinha nada em mente. ‘Então está na hora de gravar aquele disco do Bezerra’”.

D2 diz que a escolha do repertório foi pensada especialmente para apresentar a obra do sambista à “molecada” que comparece aos seus shows. “O Bezerra é um malandro carioca, e eu busquei músicas que contassem essa história”, conta, afirmando também que selecionou faixas “que tivessem a ver com a minha história afetiva com ele, como ‘Partideiro sem nó na garganta’, que nem é tão conhecida, mas que eu briguei para que ficasse no disco”. Se tem um artista em que o rapper e ex-vocalista do Planet Hemp, Marcelo D2, pode se considerar especialista é o sambista Bezerra da Silva. Tanto que trocou o flow do hip hop pelo partido alto em seu novo álbum, uma homenagem ao cantor pernambucano que se transformou em ícone da malandragem carioca.

Por G1

Download

Anúncios

Entry filed under: Marcelo D2.

Emicida (2010 – Emicidio) [DNA apoia] Criolina da Festa NozMoskada (BA)

4 Comentários Add your own

  • 1. EuOvo  |  outubro 3, 2010 às 2:16 pm

    essas são as 3 faixas liberadas pelo site do D2?
    ou é o disco inteiro?
    como está escrito aperitivo – imagino que sejam essas 3 feixas.
    abs

    Responder
    • 2. bailetangolomango  |  outubro 5, 2010 às 4:45 pm

      Esse são só 3 musicas mesmo rapaziada! Logo mais o disco inteiro…

      absss

      Responder
  • 3. Carlos Henrique  |  janeiro 15, 2011 às 1:36 am

    As pessoas se esqueçem ( ou não sabem ) Q o Bezerra viveu como ” Malandro Carioca ” mas , morreu como Evangélico ( gravou um cd Gospel antes de infelizmente falecer ) depois disso , tenho que dizer Q Malandro Sou Eu !

    Responder
  • 4. Adolf hityler  |  maio 14, 2011 às 1:36 pm

    Quem te viu e quem te ver,Achei que sua humildade fosse maior que seu Ego.É as pessoas se enganam.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


DNA – DISCOTECA NACIONAL

Este blog nasceu no ano de 2008 e tem como principal existência, difundir a música brasileira de qualidade, seja através de bandas ou DJs.
A prioridade do blog é a difusão de trabalhos independentes. Sabemos que existem blogs que não agem da mesma forma, portanto, se alguém se sentir ofendido ou prejudicado com o conteúdo de alguma postagem, avise-nos por e-mail para que ela seja retirada imediatamente

============================
P.S. O site WORDPRESS não hospeda arquivos de música e os links aqui postados têm prazo de validade limitado. ============================
Administração e conteúdo por Juniani Marzani - DJ 440

Contato: discotecanacional@gmail.com

Categorias

Blog Stats

  • 651,038 hits

%d blogueiros gostam disto: