Silvério Pessoa (2011 – No Grau)

fevereiro 8, 2011 at 3:58 pm 2 comentários

Natural de Carpina, Pernambuco, Silvério Pessoa dá tratamento contemporâneo a referências do cancioneiro popular da Zona da Mata, Agreste e Sertão do estado, com o cuidado de não descaracterizá-las. Rock, hip-hop, punk e intervenções eletrônicas são algumas sonoridades absorvidas pelas tradições e refletidas num trabalho que sai do interior de Pernambuco e conquista ouvintes do mundo todo. Silvério tem três discos e um DVD lançados, todos muito bem recebidos por público e crítica no Brasil e no exterior. Bate o Mancá – O Povo dos Canaviais (2001), com base nas músicas do cantador de coco Jacinto Silva, foi o primeiro trabalho da carreira solo. O álbum ganhou citações e artigos em publicações especializadas da Europa, recebeu quatro estrelas da Revista Le Monde de la Musique e foi selecionado como um dos melhores lançamentos do ano pela Revista Vibrations, ambas da França. Já Batidas Urbanas – Projeto Micróbio do Frevo (2003), revisão da obra carnavalesca de Jackson do Pandeiro, foi considerado uma renovação do frevo e recebeu nota máxima da Folha de S.Paulo, Revista VEJA e Rolling Stones Argentina. O terceiro CD, Cabeça Elétrica, Coração Acústico (2005), é um disco autoral que conta com participação de Dominguinhos, Lenine, Alceu Valença, Siba, Lula Queiroga, Zé Vicente da Paraíba, Ivanildo Vila Nova e tantos outros músicos e amigos. Nesse ano, Silvério Pessoa foi selecionado pelo Projeto Pixinguinha e participou da Caravana do Sul e Sudeste, se apresentando em oito cidades. Cabeça Elétrica, Coração Acústico rendeu a Silvério o Premio TIM de Melhor Cantor na categoria Regional, em 2006. O show baseado nesse disco originou o primeiro DVD do artista, lançado em 2007. Desde 2003, quando deu início a uma série de turnês com o trabalho solo, Silvério mantém uma agenda anual com temporadas no exterior, tendo como base a França. Nesses anos, tem participado de importantes Festivais como Sfinks Festival e Esperanzah (Bélgica), Roskilde (Dinamarca), Paleo (Suíça), Festival de Sines (Portugal), dentre tantos, expandindo também para outros continentes, como a participação em um dos maiores eventos musicais, o Rainforest Festival, na Ilha de Borneo (Malásia), e a realização de dois shows em Tóquio (Japão). Com a banda Cascabulho, no início da carreira, Silvério fez turnês pelo Canadá, E.U.A. e Alemanha. Participou do Free Jazz, de três edições do Abril pro Rock e recebeu, como compositor, o Prêmio Sharp de Música em 1999, categoria Regional. OUTROS PROJETOS – Os encontros de Silvério Pessoa com as bandas francesas Occitans (que têm uma proposta de trabalho envolvendo a modernidade e as tradições locais), durantes as turnês internacionais, geraram o CD Collectiu. São 12 faixas compostas ou arranjadas em parceria, em uma conexão que ressaltou a diminuição das distâncias através dos caminhos virtuais. Silvério Pessoa também lançou o livro “Nômade”, em 2008, pela editora Bagaço. É uma versão impressa do blog que o artista mantém, com comentários sobre turnês, viagens, encontros e curiosidades.

Download

Anúncios

Entry filed under: Silvério Pessoa.

Conjunto Maravilha (2010 – Ao vivo na Torre Malakof, Recife) Súbita (2010 – Nebulosa Interface)

2 Comentários Add your own

  • 1. Silvério Pessoa  |  fevereiro 8, 2011 às 4:50 pm

    Trabalho independente. Criado entre o Brasil e a França, aeroportos, sala, cozinha, quarto, hoteis. Mas o acabamento foi no meu ap. em Casa Forte. Gravei em Protools 7.4 apenas c um violão e um mic + uma placa digi. Amigos músicos e parceiros foram chegando, tocando, compondo, opinando. Depois as gravações adicionais, substituindo as bases, e mixagens foram realizadas no Estúdio Muzak (que eu ia de bike).
    Fico feliz em tê-lo aqui para download.
    Vamos divulgar, fico grato e feliz.,
    Vamos em frente.

    Resposta
  • 2. Milena  |  fevereiro 8, 2011 às 9:41 pm

    Silvério tem conseguido ser surpreendente com uma frequência que beira as velocidades que conectam as pessoas em tempos virtuais. Sua música cheia de personalidade (principalmente pela identidade que assume) é um alento para essa universalização extrema que vivemos. Sinto-me em casa quando o escuto, e nestes tempos de não-lugar, tê-lo em meu player é ter sempre a sensação de acolhimento! Parabéns Sempre.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


DNA – DISCOTECA NACIONAL

Este blog nasceu no ano de 2008 e tem como principal existência, difundir a música brasileira de qualidade, seja através de bandas ou DJs.
A prioridade do blog é a difusão de trabalhos independentes. Sabemos que existem blogs que não agem da mesma forma, portanto, se alguém se sentir ofendido ou prejudicado com o conteúdo de alguma postagem, avise-nos por e-mail para que ela seja retirada imediatamente

============================
P.S. O site WORDPRESS não hospeda arquivos de música e os links aqui postados têm prazo de validade limitado. ============================
Administração e conteúdo por Juniani Marzani - DJ 440

Contato: discotecanacional@gmail.com

Categorias

Blog Stats

  • 650,247 hits

%d blogueiros gostam disto: